Menu

Cruzeiro no Nilo

Flavia Pires
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

 

 

Depois de conhecer o Cairo, chegou a hora de embarcar para o tão esperado cruzeiro no Nilo. O voo doméstico é Cairo-Aswan, mas antes, uma passadinha para conhecer o templo de Abu Simbel, um dos highlights da viagem. A princípio quando a Abercrombie & Kent sugeriu o roteiro, confesso que achei meio loucura esse monte de voos para ver apenas um templo, mas a seguir vocês vão entender o porquê e como valeu muito a pena! Não dá pra ir ao egito e não conhecer Abu Simbel.

Chegando em Aswan,  pegamos um outro voo para passar apenas duas horas em Abu Simbel e retornar à Aswan para embarcar no cruzeiro. Acreditem que esta é a forma mais rápida para ver o templo: Cairo- Aswan/ Aswan- Abu Simbel/Abu Simbel-Aswan. Três voos domésticos em menos de 4 horas. E funcionou perfeito. A mala ficou no aeroporto de Aswan e você embarca para Abu Simbel sem bagagem. Tudo organizado pela expert Abercrombie & Kent. Como eu contei antes, o Egito é caótico, você tem que ir com tudo muito organizado. A logística é ruim, aeroportos pequenos e sem infra. Uma boa agência com tudo organizado é mandatório no país.

Abu Simbel visto de cima, EMCIONANTE a chegada!

 

ABU SIMBEL

Localizado próximo à fronteira com o Sudão ( antigo território da Núbia), na margem ocidental do Nilo, Abu Simbel foi construído durante o reinado de Ramsés II. Arqueólogos estimam que sua construção começou no ano de 1284 a.C. e terminou 20 anos mais tarde. Originalmente, o complexo de Abu Simbel não foi construído aqui. Ele foi trasladado na década de 60 com a ajuda da UNESCO, na mesma época que foi construída a barragem de Aswan. Entre 1963 e 1968 os dois templos do complexo  foram cortados em várias partes e transportadas para um local 60 metros acima de sua posição original. Como houve aumento das águas no Nilo em decorrência da barragem, o templo poderia ficar submerso e fizeram isso para evitar o estrago. Um trabalho sensacional de engenharia e arqueologia. No YOUTUBE tem um vídeo muito bacana que conta toda essa obra faraônica, achei super interessante!

 

Abu Simbel é um dos templos mais bem conservados de todo o Egito. Isso se deve ao fato desses templos terem ficado cobertos de areia por muitos séculos, provocando assim, seu esquecimento.

Até que em 1813, um suíço, Jean Louis Burkhardt o descobriu durante uma escavação. Por não ter encontrado a entrada do complexo, compartilhou a informação com o explorador italiano Giovanni Belzoni, que em 1817 foi até a região, encontrou a entrada do templo e saqueou tudo o que conseguiu transportar. Por isso vemos tantas peças do egito Antigos espalhadas pelos grandes museus mundo afora….

O primeiro templo, é o “GRANDE TEMPLO DE RAMSÉS II”. As quatro estátuas na fachada que medem 20 metros de altura, representa Ramsés II em diferentes idades. Figuras estão esculpidas na base dos seus pés retratandocenas dos dúbios e sírios capturados. O  monumento é dedicado aos deuses Re Horakhty, Amon e Ptah e também, claro à Ramsés, representado como divindade.

Na parte interna do templo, o primeiro salão impressiona com oito estátuas colossais de Ramsés II, em forma do deus Osíris. À esquerda, estátuas enormes retratam Ramsés com a coroa branca do Alto Egito e à direita, o rei usa a coroa dupla das Duas Terras. Nas paredes estão cenas da batalha de Kadesh, a maior das vitórias de Ramsés, bonito demais.

Duas vezes por ano, nos dias 22 de fevereiro e 22 de outubro, os raios solares infiltram atravessando o templo e enchendo o santuário de luz, imagine como deve ser lindo!

Logo ao lado, está o TEMPLO DE HATHÓR, em menor escala do que o templo de Ramsés, mas igualmente lindo! Foi construído e dedicado à esposa de Ramsés, a mais preferida de todas suas esposas, Nefertari. O seu interior é muito parecido ao Grande Templo, mas construído para uma escala em dimensões mais humanas. Cenas nas paredes  retratam Nefertari em rituais divinos e também mostram a consagração de Nefertari como rainha divina.Seis pilares quadrados, cria uma sensação suave ao templo.

 

ROTEIRO DE QUATRO DIAS NAVEGANDO PELO NILO

DIA 1 De lá, pegamos o voo de retorno à ASWAN, onde o Nilo é mais majestoso. Aswan está em uma posição estratégica, antiga rota do comércio que liga o norte e o sul do Egito. Fomos dar uma volta pela cidade, visitamos uma loja de essências ( Essence of Life Al Fayed ). Os egípcios são famosíssimos e pioneiros na arte de produzir óleos essenciais. Foi uma experiência e tanto, tivemos uma verdadeira aula de perfumaria e claro, trouxe vários óleos comigo. Não são nada baratos, mas saem mais em conta do que aqui no Brasil.

 

Depois passamos na mesma avenida em uma loja para comprar os famosos lençóis egípcios com um preço bárbaro ( comprei Super King por U$200)  e dali finalmente embarcamos no cruzeiro THE SANCTUARY NILE ADVENTURER que pertence à empresa Abercrombie & Kent, operadora que organizou a minha viagem.

Fizemos um passeio em uma Felucca, típicos barcos a vela no por do sol e foi inesquecível! Passamos pela famosa Ilha Elefantina e passeamos por cerca de duas horas apreciando a vida no Nilo, foi incrível, a realização de um sonho estava prestes a começar!

O Nile Adventurer é um barco pequeno com apenas X cabines e bem exclusivo se comparado à outros barcos que vi pelo caminho (todos enormes e bem menos exclusivos). O serviço é excelente, toda tripulação muito atenciosa. As cabines bem confortáveis e espaçosas pelo tamanho do barco. Estávamos em 3 casais e tivemos um guia somente para nós, que nos acompanhou em todos os desembarques. Carros sempre a postos nos desembarques para nos levar aos templos.

 

Todas as refeições foram feitas a bordo, com um cardápio super variado e comida muito boa. Café da manhã e almoço no estilo buffet e jantar a la carte. Me surpreendi positivamente com a qualidade da comida, não imaginei que seria tão boa!

 

O barco possui uma ampla área externa com conforto a beira da piscina. Uma delícia o final de tarde após os passeios tomar um drink no deck e esperar pelo por do sol, cada dia mais lindo!

 

 

DIA 2 Após o café da manhã desembarcamos na ilha de Agilika onde fica o PHILAE TEMPLE, o Templo de Ísis. Inacreditavelmente há um pouco mais de 50 anos esses templos estavam semi-submersos nas águas do Lago Nasser. Nos anos 60 uma operação de resgate com apoio da UNESCO foi recuperar esse patrimônio que estava se perdendo ao tempo. Assim como Abu Simbel, esses templos foram totalmente desmontados e reconstruídos em uma ilha vizinha. O templo principal é dedicado à Ísis e foi o centro do culto de Ísis e Hathór durante o período romano. Foi o último templo pagão em uso no Egito.

A chegada é em um barquinho e leva 10 minutos da marina até o templo.

 

Vamos entrar?

As paredes são repletas de imagens e inscrições contando a vida de Ísis.

De repente o templo se abre às margens do Nilo e o visual é surpreendentemente lindo! O QUIOSQUE DE TRAJANO  é lindo com suas 14 colunas e se destaca por tanta beleza e representatividade. Relevos retratam o imperador Trajano levando oferendas a Ísis, Osíris e Horus.

 

 

Um mercado com artesanato local e uma cafeteria super agradável fazem parte do complexo e vale sentar-se ali uns minutos e apreciar tamanha beleza.

 

A vista da cafeteria

Visitamos em seguida o OBELISCO INACABADO que está encravado em uma das muitas jazidas de granito em Aswan.  A peça provavelmente foi atribuído à rainha Hatshepsut.  Todas a pedras que foram utilizadas nas pirâmides vieram destas jazidas em Aswan. Um grande mistério até hoje, como eles conseguiram transportar os imensos blocos de pedra até tão longe.

Após o almoço no barco, fomos visitar o templo de KOM OMBO, dedicado a duas tríades de divindades, Sobek e Haroeris, cada uma com suas próprias câmaras associadas e santuários.

 

Retorno ao barco e à noite, um jantar à fantasia para os hóspedes, foi bem divertido!

 

DIA 3 Fomos de charrete bem cedinho por conta do calor, o TEMPLO DE HÓRUS EM EDFU, considerado o mais bem preservado de todo o Egito e o único que foi totalmente concluído. Sua arquitetura é greco-romana e foi construído para celebrar o nascimento divino de Hórus. Duas estátuas do falcão Hórus estão no portão principal.

Fachada do templo

As famosas estátuas de falcão

 

Almoço no barco e zarpamos para ESNA, onde visitamos o TEMPLO DE KHNUM. Construído pelo imperador romano Claudius, data do período ptolomaico e romano, com sua fachada no estilo da época.

 

Já era quase noite quando zarpamos rumo à LUXOR, nossa última parada no cruzeiro. Luxor é extraordinária, o Nilo flui em meio a beleza dos templos na beira do rio. A antiga Tebas, esse era o nome de Luxor no passado, foi rica em poder e  riqueza, lendária desde a antiguidade. Era o lugar que eu mais queria conhecer no Egito!

Chegando em Luxor, emocionante!

DIA 4 Nosso dia começou muito cedo pegando um simpático barquinho para cruzar o rio e irmos visitar  MEDINET HABU, o Templo de Ramsés III, que por ser muito cedo, estava incrivelmente vazio!

Um vasto complexo de muralhas, depois de karnak, é o mais bem preservados dos templos, e um dos mais visitados também!

O portão de entrada

 

Colunas que ainda preservam cor, são de uma beleza indescritível. E seus desenhos que retratam as batalhas de Ramsés., de nos deixar sem palavras. É muita informação, por isso a presença de um guia especializado é fundamental.

 

O Salão Hipostilo, agora sem teto, abriga 24 bases de pilares, que infelizmente foram destruídos ao longo do tempo.

 

Em seguida,vistamos o VALE DOS REIS ainda pela manhã, por conta do calor excessivo e das multidões de turistas. Luxor é lotada o tempo todo, fiquei impressionada!

Visão geral

O Vale dos Reis é um complexo onde foram encontradas a tumbas dos faraós da antiguidade. Todas foram inteiramente saqueadas no passado, salvo a tumba de Tutancâmon, encontrada intacta em 1922 pelo explorador inglês Howard Carter. O tesouro fabuloso encontrado está exposto no Museu do Cairo. A visita começa em um trenzinho que te deixa mais perto das tumbas. Todas vazias, mas ainda com vestígios de cores nas paredes e bem amplas. Afinal, os faraós eram enterrados com verdadeiros tesouros, preparados ao longo da vida especialmente para este momento. Toda essa relíquia que vemos nos museus mundo afora, foram saqueadas daqui através dos séculos.

As tumbas por dentro

 

 

Passamos pelo monumento O COLOSSO DE MEMNON, localizado na margem ocidental de Luxor, duas enormes estátuas que possuem cerca de 17 metros de altura, que antes ficavam no portão de entrada do templo mortuário de Amenófis III, hoje destruído. Cada estátua representa o faraó Amenófis III da 18a dinastia e é impactante.

 

 

Após o almoço no barco, visitamos KARNAK, considerado o maior de todos os templos, um complexo de santuários, colunas e obeliscos que impressionam e enchem os olhos, todos dedicados aos deuses de Tebas e à glória dos faraós. Ali está o Templo de Amon é um dos maiores complexos religiosos do mundo e o maior centro religioso do Egito durante o Império Novo.

 

A escala de tudo ali é gigantesca e monumental, afinal, são 2 km quadrados de área.

Colunas magníficas

Como conseguiram esculpir em um bloco de pedra deste tamanho?

 

E o fim do dia, o belíssimo e único TEMPLO DE LUXOR, pra mim, o que mais queria conhecer! Me emocionei ao entrar e me deparar com as três estátuas de Ramsés II (originalmente eram 6). Um obelisco no centro que fazia par com o que hoje está em Paris na Place de la Concorde.

O obelisco que falta está em Paris

 

 

Uma avenida de esfinges com cabeças humanas foram erguidas por Necatnebo I para substituir as originais esfinges com cabeça de carneiro de Amenófis III.

O único arrependimento que eu tenho, foi de não ter vindo antes ao Egito enquanto meus filhos eram, menores. Achei uma viagem incrível para fazer com filhos tipo 12, 14 anos e em família!

Última noite no barco e voltamos para o Cairo. Uma viagem inesquecível em um dos lugares mais fascinantes do mundo!

Tudo sobre o Cairo, clique aqui.

Fotos Flavia Pires, todos os direitos reservados.

 

Explore também:

Traduza