Menu

Safári na reserva de Maasai Mara no Quênia

Flavia Pires
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

 

 

Fazer um safári sempre esteve na minha bucket list, e finalmente chegou a minha hora! Mas o melhor de tudo é que foi em um dos lugares mais incríveis da África, o Quênia. Eu sonhava em conhecer a famosa tribo Maasai e unir essas duas experiências foi algo muito especial pra mim.

O Quênia foi a sétima parada da viagem em um jato privativo que a Latitudes Viagens de Conhecimento organizou em outubro de 2019, o AROUND AFRICA, como já contei aqui. Eu me juntei ao grupo no aeroporto de Nairóbi, capital do Quênia e embarcamos juntos nesta etapa.

Chegar ao Quênia é bem tranqüilo, voei de South African São Paulo-Johanesbourg- Nairóbi. Na capital Nairóbi dormi uma noite no hotel Kempinsky e no dia seguinte embarquei para a reserva Maasai Mara em um avião pequeno, um voo suave com duração de uma hora.

A hospedagem foi no exclusivo ANGAMA MARA, um lodge belíssimo e considerado um dos melhores da região, que fica no alto de um platô, o Great Rift Valley na reserva de Maasai Mara.

O Angama oferece safáris “tailor-made” e apenas 30 tendas, com todo conforto e uma estrutura incrível. Isso sem contar no serviço de altíssimo nível e a doçura que é conviver com os quenianos.

As tendas são extremamente confortáveis e com uma decoração super original. Tons de vermelho predominam nos detalhes, já que é a cor oficial da tribo Maasai. Um varanda generosa com vista para a savana e a ampla suíte tem absolutamente tudo para deixar sua estadia o mais aconchegante possível.

A área da piscina e SPA é super agradável e é anexa a uma loja, repleta artesanatos regionais muito lindos. Grande parte deles confeccionados ali mesmo no hotel por simpáticas artesãs, que também oferecem aulas previamente agendadas para aprender a fazer bijuterias em miçangas. Outro detalhe muito bacana é que o Angama tem uma loja onde você pode alugar equipamento fotográfico, câmeras e lentes super poderosas para tornar seu safári mais especial ainda, caso não tenha trazido um bom equipamento.

Artesãs trabalhando na loja do hotel

O restaurante do Angama oferece uma culinária internacional e um cardápio bem amplo, agradando todos os paladares.

Os finais de tarde foram coroados com por do sol regado à drinks, cada dia em um lugar diferente do hotel. E um dos dias, com uma apresentação lindíssima de integrantes da tribo Maasai cantando e dançando, em um espetáculo que vai ficar guardado pra sempre na minha memória.

Recepção calorosa para o sunset drinks

Os Maasai reunidos e nos mostrando suas danças típicas

O famoso salto Maasai

Agora vamos ao tão esperado safári! O Quênia é famoso pela abundância de vida selvagem e também por encontrar facilmente os chamados Big Five ( leão, leopardo, elefante, búfalo e rinoceronte). Eu só não vi o rinoceronte, os demais tive a chance de vê-los em fartura. As planícies entre o Rio Mara e as escarpas Esoit Oloololo são as melhores áreas para se observar os animais. Os leões predominam nessa região e também as manadas de zebras. Os pássaros aparecem em abundância, segundo estudos, são cerca de mais de 470 espécies.

Os animais mais comuns na reserva Maasai Mara

Ter tido a oportunidade em observar os carnívoros em plena caça foi também uma experiência sensacional. Ver de perto a lei de sobrevivência da selva é algo único. O instinto maternal da leoa em caçar para alimentar seus filhotes acaba nos confortando. A lei da selva é forte.

Os “Game Drives” começam muito cedo, geralmente antes das 6 horas, quando a chance de ver os animais ao nascer do sol é bem maior do que com o sol a pino. Logo no primeiro dia fizemos uma rodada longa, de quase 7 horas. Pra falar a verdade, eu nem vi esse tempo todo passar. Os Rangers vão se comunicando com os outros carros do hotel e vão passando as melhores localizações para vermos os animais. E fora, que eles são profissionais em achar os animais, muitas vezes estão camuflados na savana e só eles com tanta experiência, conseguem encontrá-los. Nosso primeiro dia foi espetacular, vimos muitos animais. Eu gostei tanto da experiência, que no fim da tarde repeti a dose no por do sol e saí para mais um game driver. Mas sem dúvida, pela manhã vimos muito mais animais do que a tarde.

No outro dia acordamos bem cedo para o passeio de balão, mandatório na região. A beleza em ver a  imensidão da savana de cima realmente foi muito bacana. Como já contei outras vezes, eu nunca perco a chance de voar de balão, acho sempre fascinante! Infelizmente desta vez não vimos nenhum animal, foi uma pena… a natureza não é matemática…mas valeu pelo visual!!!! Nosso passeio terminou com um lindo café da manhã preparado na savana!

O dia amanhecendo na reserva Maasai Mara

Café da Manhã

Saindo dali, como ainda era muito cedo, fomos conhecer uma escola da região, experiência que a Latitudes Viagens de Conhecimento sempre inclui em todas as suas viagens e que eu acho um baita diferencial: ter contato direto com a cultura local, uma vivência e integração com moradores em situações bem cotidianas. Nós fomos conhecer a escola PARTAKILAT, que abriga 150 alunos (80 meninos e 70 meninas) que moram nesta escola porque foram salvos de uma prática terrivelmente aplicada em muitas regiões principalmente rurais da África: a mutilação genital. As meninas passam por ritos como a clitoridectomia (remoção do clitóris) durante a puberdade. São as mulheres mais velhas que operam as meninas. O governo queniano e ONGS querem acabar com esta prática que atravessa gerações e é uma luta incessante e muito triste. A escola é muito pobre, as crianças dormem no chão, muitas vezes só fazem uma refeição por dia. Nós levamos 150 camisetas do Brasil e vocês não imaginam da alegria deles todos vestidos com roupas novas. Passamos uma manhã inteira na escola brincando com eles, crianças extremamente doces, sorridentes, onde interagimos através de jogos e até teve uma partida de futebol super divertida. Saímos todos de lá com o coração devastado em imaginar como o mundo é tão cruel e que a lei da sobrevivência é implacável dentro e fora da selva. O hotel Angama onde estávamos hospedados colabora muito com o todo o entorno da reserva através de trabalho social local e ajuda muito a esta escola. Foi através deles que chegamos até ela.

A parte da tarde foi dedicada a conhecer uma vila onde mora a tribo Maasai, este grupo étnico que ainda preserva muito de suas tradições culturais e que vivem no Quênia e na Tanzânia. Por ser uma tribo semi- nômade, é difícil estimar ao certo sua população entre os dois países, pois eles atravessam livremente a fronteira. Mas estima-se que são cerca de 500.00 pessoas em cada país. No Quênia eles estão distribuídos em 40 tribos.

Conhecidos como “Bravos Guerreiros Vestidos de Vermelho”, a cor oficial dos Maasai, presente nas vestimentas e  nos muitos acessórios ( de enlouquecer, diga-se de passagem). Este povo tem muitas peculiaridades e ainda vivem como se não existisse a passagem do tempo.

O gado é a principal fonte de alimento e a classe social dos Maasai é determinada pelo número de vacas pertencentes à família. Os casamentos são arranjados e as mulheres só podem se casar uma vez na vida, enquanto os homens podem ter mais de uma esposa. Se possuírem vacas suficientes para o dote, podem ter mais de uma esposa ao mesmo tempo. A maioridade dos jovens Maasai é aos 14 anos e através do ritual de circuncisão, onde são proibidos de fazer qualquer ruído durante o ritual. Milhares de meninos da mesma faixa etária fazem na mesma época e vivem juntos na mesma aldeia. Antigamente quando alcançam a vida adulta, os homens da tribo deveriam matar um leão para poder sair de casa e passar um tempo vivendo na floresta, como prova de que já passou para a fase adulta. Hoje é proibido matar o leão, mas nesta aldeia que fomos visitar, ainda havia vestígios desta prática no cocar de um deles.

Me contaram também que a tradição da competição de quem salta mais alto entre os homens da tribo Maasai começou para substituir a caça ao leão. Desta forma, quem salta mais alto, ganha mais prestígio na aldeia. E é incrível como saltam!!!

As casas onde vivem os Maasai são chamadas de ENKANG, construídas em círculo e feitas com esterco de vaca e barro. Uma curiosidade é que são as mulheres quem constroem as casas e as fazem da sua altura. O interior das casa é de uma simplicidade inacreditável. Não há camas e eles dormem em um estrado feito de folhas e gravetos. Detalhe que os homens Maasai são super altos devido à genética e à alimentação a base de muita proteína. Outra curiosidade é que eles se alimentam do sangue tirado fresco da vaca, mas não a matam, já que são extremamente valiosas. Eles estancam o sangue garantindo assim, a sobrevivência do animal.

Um mercadinho com o artesanato fabricado ali mesmo pelos artesãos está disponível após a visita à aldeia. Bom reservar um tempinho porque tem coisas muito bonitas. Acabei me arrependendo de não ter levado mais coisas, o artesanato é de uma riqueza única. E também, poder colaborar para o sustento destas famílias (com muitas crianças) é uma excelente causa. Acabamos por fazer uma “vaquinha”ali mesmo e doamos o valor de uma vaca para a comunidade.

A melhor época para visitar o Quênia de junho à outubro que não são tão quentes e fazem lindos dias de sol.

Acho que foi a forma mais primitiva e impactante que vivenciei até hoje nas minhas andanças em quase 80 países pelo mundo. É realmente impressionante como esta tribo vive e sobrevive nos dias atuais.Recomendo vivamente esta experiência. Uma verdadeira lição de vida!

INDICAÇÃO de livro e filme: A Maasai Branca, baseado em uma história real e o filme Out of Africa, um clássico.

O QUE LEVAR PARA UM SAFÁRI:

Primeiro de tudo é uma mala dessas moles de lona estilo duffle. Os aviões que te levam às reservas são pequenos e consequentemente tem limite de peso (maioria 15 kg). Verifique todos os detalhes na compra dos bilhetes, isso é super importante, porque não há excessões de estiver com peso acima determinado, simplesmente não embarca.

Uma câmera com lente poderosa com zoom 400mm ou mais é o recomendado para ter um alcance e garantir boas fotos. Caso não tenha o equipamento adequado, verifique se o seu hotel tem para alugar. Os lodges 5 estrelas costumam ter, veja com antecedência. A câmera que eu levei é uma NIKON P1000, que pesa apenas 1,4 kg e vem com uma lente absurda de 24-3000mm. A grande vantagem dela é ser bem leve, filmar em 4K, ter WIFI e Bluethooth. Foi perfeita pra mim, que não sou profissional, mas prezo por fotos de qualidade. A Nikon já lançou a P1100, versão mais moderna da minha!

Binóculos também são fundamentais! O Angama oferecia aos hóspedes, mas acho essencial você ter o seu, ainda mais se for visitar outras reservas.

Bom levar um casaco, fleece, gorro e uma pashmina para se proteger do vento frio pela manhã e no fim do dia. Como os carros são abertos, o vento é congelante. Se você for no inverno, o frio é grande, fique de olho na temperatura!!!!

Te animei em conhecer esta experiência de perto?

A Latitudes Viagens de Conhecimento pode te ajudar com toda sua expertise a montar um roteiro sob medida para a Africa!

Fotos Flavia Pires, todos os direitos reservados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Explore também:

Traduza