Menu

As ruínas de Jerash na Jordânia

Flavia Pires
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Iniciadas nos anos 1920, as escavações em Jerash, chamada Gerasa na antiguidade, revelaram uma das cidades romanas mais bem preservadas e originais do Oriente Médio.

Localizada a 50 km ao norte de Amã, capital da Jordânia, Jerash é visita obrigatória para quem for a Petra.

Foi durante o período helenista, no século terceiro a.C, que Gerasa tornou-se um centro urbano e membro da federação de cidades gregas conhecida como Decápolis. A partir do século 1 a.C., ela ganhou prestígio com a semi-independência conquistada dentro da província romana da Síria. Prosperou muito por sua localização na rota do incenso e das especiarias, da península Arábica à Síria e Mediterrâneo.Gerasa perdeu a autonomia no governo de Trajano, que, no entanto, ao anexar a capital Nabatéia de Petra em 106 d.C., propiciou muito mais riqueza para esta região. Em 130 a antiga cidade estava no seu auge. Por ter-se tornado a preferida de Adriano, Gerasa floresceu economicamente e socialmente. Após um período de declínio no século terceiro, ela renasceu como cidade cristã no período bizantino, sobretudo no reinado de Justiniano (527-65). Os muçulmnos a conquistaram em 635, e no século Oitavo, sofreu grande destruição em decorrência de vários terremotos. O golpe final da cidade foi desferido por Balduíno Segundo de Jerusalém e, 1112, durante as Cruzadas.

Entra-se em Jerash pelo Arco de Adriano, erguido em homenagem ao imperador romano.

Ao lado, está o Hipódromo, onde eram realizadas as corridas de biga e outros eventos esportivos, e um pouco adiante encontra-se o Portão Sul, parte da muralha da cidade do século Quarto.

À esquerda dele, em uma elevação, está o primeiro Templo de Zeus.

O Teatro do Sul, hoje sede do Festival da Jordânia, belíssimo.

O traço mais incomum da cidade romana é a Praça oval (século 1 d.C.), que por sua assimetria, é uma construção única no mundo romano. Medindo 80X90 metros, a praça é cercada por 160 colunas jônicas. Embaixo do seu piso de pedra há um complexo sistema de drenagem.

Indo para o norte, está Cardo, espetacular rua pavimentada com cerca de 600m de comprimento, onde se localizavam os principais prédios, lojas e residências da cidade. Ainda são visíveis as marcas das rodas das carroças nas pedras.

Dicas: Protetor solar e chapéu imprecindíveis, o calor é muito forte. Roupas leves e tênis.  O ideal é ir no horário da manhã.

Sem dúvida, um dos lugares mais especiais que estive.

Fotos Flavia Pires, todos os direitos reservados.

Explore também:

Traduza