Menu

Machu Picchu revisitado

Flavia Pires
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

 

 

Depois de alguns dias em Lima, hora de voar até Cusco rumo à Machu Picchu. Desta vez, optei por não ficar em Cusco, mas apenas por falta de tempo e por já ter ido da última vez, há exatos 6 anos. Mas se você não conhece, vale muito a pena, Cusco é adorável e merece uns 3 dias por lá. Possui excelentes hotéis e restaurantes renomados! Aproveite também para conhecer o Valle  Sagrado, igualmente lindo.

Do aeroporto, segui até a estação de trem bem no centrinho de Cusco, e a grande novidade pra mim, foi pegar o trem INCA RAIL ali mesmo ( os outros trens você tem que pegar na estação seguinte, que fica a uma meia hora de Cusco). O destino final foi Águas Calientes, a cidadezinha aos pés de Macchu Picchu.

Um luxo viajar na FIRST CLASS do trem, com poltronas extremamente confortáveis, um serviço de bordo super eficiente onde tomamos um café da manhã e almoçamos divinamente, com entrada, prato principal, sobremesa e vinhos.  A viagem dura 4 horas e 20 minutos, tempo para curtir o trem e admirar as inúmeras paisagens pelas amplas janelas. Pra dizer a verdade, nem vi o tempo passar! Link para compra dos tickets: www.incarail.com

Chegando em Águas Calientes, o pessoal do Hotel Sumaq já nos aguardava com um carregador de malas e seguimos caminhando apenas 5 minutinhos até o hotel. A localização é perfeita, o Sumaq fica pertinho do centrinho, mas ao mesmo tempo, é a última construção da avenida principal, garantindo assim, muito sossego e tranquilidade aos seus hóspedes. 

Fachada do Sumaq

A decoração do lobby já me impactou logo na chegada, eu sou muito ligada à decoração, e ali, percebi o cuidados nos mínimos detalhes, a escolha das cores inspirados na riquíssima cultura andina. Os quatro andares do hotel são representados pelos quatro elementos naturais: ar, fogo, terra e água. A famosa cruz andina, a chamada “chakana”, aparece um muitos detalhes por todo o hotel. Tudo foi pensado com um requinte absurdo, mas que ao mesmo tempo te deixam super a vontade e bem aconchegante. 

As suítes são muito amplas e claras, com janelões, trazendo luz natural, vista das montanhas e o barulhinho do rio do outro lado da rua. Roupas de cama e toalhas de alta qualidade, amenities deliciosas e todo o conforto do mundo pra te receber depois de dias longos de expedições pela região. 

 

O SPA é uma delícia, fiz uma massagem relaxante que me deixou renovada!

 

O Sumaq recebeu uma grande reforma há 3 anos ( o hotel tem 12 anos), e foi totalmente remodelado pensando já no futuro, Tomadas de USB ao lado das camas, uma iluminação perfeita, TV a cabo, internet em alta velocidade por todo o hotel, e todas as facilidades do mundo moderno em um lugar remoto.

O staff do Sumaq merece ser mencionado, todos são de uma atenção e carinho ímpar. Os peruanos em geral são um povo muito doce, gentis por natureza, e aqui, não poderia deixar de ser diferente. O serviço me chamou a atenção pela qualidade.

A gastronomia do hotel superou todas as minhas expectativas. O café da manhã é muito bem servido, com diversas estações super completas. Adorei a parte dos pães sem glúten, suco verde e uma variedade de grãos impressionante para quem gosta de ficar fitness, como eu. Um menu de ovos que podem ser pedidos a la carte e uma estação dedicada às crianças, com as comidas servidas em forma de animais, uma graça!

Fizemos um jantar degustação super autêntico na sala privativa do hotel, onde o chef recriou pratos típicos utilizando técnicas contemporâneas, com ingredientes sazonais e nativos, ressaltando a cultura local.

 

Dois outros pontos a ressaltar, o Sumaq junto aos chefs, promovem o cultivo de todos os ingredientes utilizados na culinária do hotel através de produtores locais e de comunidades sustentáveis próximas, favorecendo estes pequenos agricultores a 50 km do hotel. Grande diferencial do Sumaq, são a experiências onde eles acreditam em poder manter vivas , muitas tradições milenares da sua cultura. Participamos de algumas delas muito interessantes:

DEGUSTAÇÃO DE CAFÉS PERUANOS: Eu não sabia, mas o Peru é um grande produtor de cafés. Tivemos a oportunidade de experimentar algumas variedades de cafés e sentir as diferenças entre eles e também o modelo de preparo de cada um. 

AULA DE DRINKS: oportunidade de conhecer de perto, alguns drinks originais feitos de Caña, aposta dos mixologistas que será febre nos próximos anos. Além de muito saborosos, o visual é lindo. O bar Suquy oferece também uma carta com drinks clássicos e boa carta de vinhos.

TOUR MÍSTICO EM MACHU PICCHU: Um autêntico Xamã nos mostra o mundo místico que envolve a experiência de conhecer um dos lugares com mais energia no mundo. Através dele, tivemos uma experiência única, onde além de conhecer rituais andinos, aprendemos mais sobre esta cultura fascinante. Fizemos uma sessão de limpeza espiritual muito bacana.

O hotel se encarrega de todos os tickets para visitar Machu Picchu e também de um guia privativo. Saímos às 7:30 do hotel e caminhamos até o ponto dos ônibus que levam à Machu Picchu. A fila estava gigante, mas andou super rápido, levamos cerca de meia hora. O ônibus até lá demora uns 20 minutos e é bem tranquilo, apesar das curvas, eu que costumo enjoar, passei bem. Logo na chegada, aproveite para ir ao banheiro, pois dentro do complexo, não tem banheiros. Você vai precisar do seu passaporte para entrar e não deixe de carimbar seu passaporte na saída, o selo é lindo!

Em 1911 o explorador norte-americano Hiram Bingham encontrou a cidadela de Machu Picchu, tão recente, né? Imaginem essas pedras que pesam toneladas terem sido levadas à esta altitude e sem argamassa para serem montadas. A cidadela era dividida em dois setores, a agrícola e a urbana. É tudo muito impressionante, além de ser um dos pontos mais energéticos do planeta. 

Caso queira fazer Machu Picchu por sua conta, reserve umas 5 horas pelo menos para visitar tudo, tirar fotos, fazer uma meditação. O lugar é realmente energético!!!

Procure as llamas, que geralmente ficam meio escondidas. Elas são muito fofas! esta vez, consegui até uma selfie!

  

Duas trilhas que fiz da outra vez que estive aqui foram a Puerta del Sol e Huayna Picchu, as duas valem muito a pena se você curte hikking! Compre os tickets com antecedência, pois as duas tem números exatos de turistas por dia e costumam lotar.

RITUAL OFERENDA PACHAMAMA: É uma prática anterior aos incas, em toda a região dos Andes. É um ritual onde se agradece à mãe terra pela cura e pela abundância, uma das formas que eles acreditam na conexão do reino espiritual como cura e agradecimento. Uma forma autêntica de conectar-se com a antiga cultura, buscando luz para seu caminho, curas físicas, emocionais e espirituais. Adorei fazer esta experiência junto ao Xamã, foi de uma energia pura.

PACHAMANCA, A COZINHA TRADICIONAL DOS ANDES A chamada “panela da terra”, é uma experiência cultural muito tradicional na cultura andina. Uma forma muito antiga de preparar a comida, onde é montado um forno na terra, onde tubérculos e carnes são preparadas em um ritual lindo. Está incluido também uma degustação de chichas, bebida local muito típica fermentada feita de milho e é considerada a bebida sagrada dos incas. Provamos a de milho, quinoa e a frutada. 

ALMOÇO EM HUATATA, onde Manuel Choque, o maior produtor de batatas do país, produz cerca de 350 tipos diferentes do tubérculo. Eu não sabia, mas no Peru, existem mais de 4600 tipos de batatas! O almoço é montado no meio do campo, em uma linda tenda, muito bem decorada e ali, aprendemos um pouco do cultivo e degustamos alguns tipos bem exóticos de batatas. Tudo delicioso! 

 

Voltamos de Águas Calientes no INCA RAIL, vagão 360 graus, onde através de vidros amplos, aprecia-se a paisagem de uma forma única! 

Não deixe de visitar o mercado local de Águas Calientes, a poucos passos do Sumaq e anexo à estação de trem. Muitos achados no meio de souvenirs, basta ter calma de percorrer um verdadeiro labirinto de ruelas! Ponchos, bolsas colombianas, suéteres, gorros, lenços coloridos e lindos! Dá pra se perder por horas a fio garimpando!

 

Machu Picchu é bem mais baixo do que Cusco, tem 2.400 metros de altitude, portanto, o mal de altitude não é relevante. Mas de qualquer forma, para quem é mais sensível, a dica é tomar muita água, manter-se hidratado o tempo todo e tomar chá de coca ou mascar a folha de coca, ajuda muito!

Melhor época para visitar Machu Picchu é de abril à outubro!

Outro detalhe importante é que o Sumaq aceita crianças de todas as idades e organiza passeios diferenciados para eles!

Um especial agradecimento à agência Belvitur e aos Seguro Promo que organizaram com muito carinho meus dias no Peru!

Fotos Flavia Pires, todos os direitos reservados.

Explore também:

Traduza