Lençóis Maranhenses

Por: Flávia Pires 10 junho, 2018

 

 

Porque todo lugar paradisíaco é difícil de chegar? Parece que é pra te colocar mais ansiedade e expectativa, não é mesmo? Era desejo bem antigo conhecer os Lençóis Maranhenses e finalmente chegou a minha hora! Aproveite essa subida do dólar e vai, juro, você não vai se arrepender, eu te garanto!  Montei aqui dicas práticas e imagens lindas para curtir esse paraíso que é NOSSO! Espero que você se esbalde como eu!

QUANDO IR:

Teoricamente a época das lagoas cheias, onde o visual é bem mais bonito, vai de junho à novembro, mas todos lá me falaram que pode ser mais adiante e também pode antecipar. Eu estive meados de maio e estavam já bem cheias. O único inconveniente é que você ainda pode pegar algum dia de chuvas, eu peguei uma manhã inteira…

Atins é famoso por ser um ótimo pico de kitesurf, inclusive o balneário vem recebendo cada vez mais velejadores nos meses de agosto à outubro, temporada do velejo. Meu marido veleja e já esteve três vezes em Atins. Ele conta da emoção que é velejar em alguns trechos por dentro das dunas… Ouvi falar também de um outro point de kitesurfe ali perto chamado Travosa, mas não consegui mais informações.

COMO CHEGAR:

Voo para São Luis, capital do Maranhão. De lá, você tem três opções de rota para visitar os Lençois: Barreirinhas, Santo Amaro ou Atins. Barreirinhas é o maior município dos três, o mais desenvolvido, mas menos charmoso na minha opinião e o lugar que recebe mais turistas, tem mais infra de pousadas e restaurantes. Santo Amaro é o mais longe deles e Atins foi o que escolhi por ser pequenininho, ali vivem apenas 800 pessoas, é um verdadeiro balneário. Bem rústico, terra batida, mas tem seu charme.

Do aeroporto de São Luis peguei um transfer em direção à Barreirinhas. São 4 horas e meia de carro até lá por estrada asfaltada. Chegando em Barreirinhas, contratei outro transfer, só que desta vez de barco. Mais uma hora subindo o Rio Preguiça, o mais famoso da região. Quando eu cheguei já era noite e chovia bem forte. O barco tem uma cobertura bem pequena, portanto fiquei encharcada e com toda minha mala molhada. Mas é assim, não tem outro jeito de chegar em Atins e você aciona aquele espírito esportivo e vai na fé. Eu pelo menos sou assim. Sabia que valeria MUITO a pena!

Quem organizou todos estes transfers pra mim foi a pousada onde me hospedei, a La Ferme de Georges ( A Fazenda de Georges) em Atins. Aliás, todos os passeios que fiz durante os quatro dias foram eles que organizaram e foram impecáveis. Este era o nosso carro, que eles chamam carinhosamente de jardineira!

E esse foi o Sergio, um guia querido que nos acompanhou todos os dias!

Na volta, optei por alugar um monomotor e economizar estas 4,5hrs de estrada em 50 minutos até o aeroporto de São Luis e de quebra, ainda fazer um sobrevôo nos Lençóis, que foi simplesmente sensacional.

Os Lençóis tem este nome por parece um lençol amarrotado visto de cima! Especula-se que sejam de 5 mil à 7 mil lagoas e é realmente sobrevoando que você tem a real dimensão do território de 1500km quadrados de área, o maior parque de dunas da América do Sul que é praticamente o tamanho da cidade de São Paulo. A empresa que faz os vôos é a AVA do simpático Jeff Freitas, [email protected], Instagram @voeava e o telefone  (98)98287-1854. Ele também faz apenas o sobrevoo que fica bem mais barato e eu recomendo MUITO!!!!!!!!!!

Chegando em São Luis, após um voo tranquilo e lindo!

QUANTO TEMPO FICAR?

Eu recomendo 4 dias inteiros para dar tempo de fazer todos os passeios com calma.

QUAIS SÃO OS PASSEIOS MEIS LEGAIS?

ALUGAR UM QUADRICICLO no meio da tarde e fazer um passeio até as dunas para ver o por do sol. O trajeto não é tranquilo, você passa por rios, manguezais, pontes, vegetação rasteira de restinga e as dunas no final do percurso. Tem que ter um certo traquejo no comando do quadriciclo, pra mim foi meio tenso, mas eu iria de novo. Dá mais ou menos uns 20km ida e volta.

 

FAZER UMA CAVALGADA pela região é um programa bem legal! Eu fiz com a empresa SEMPRE ATINS do argentino Facundo e foi show! Ele tem cavalos bem cuidados e vários tipos de passeios,  com duração diferente e até travessias de 3 dias. Veja qual se encontra no seu perfil e se você curte cavalos é uma experiência e tanto! www.sempreatinscavalgadas.com e Instagram @sempre.atins

PASSEIO DE BARCO PELO RIO PREGUIÇA e ver diariamente o voo dos famosos Guarás, um pássaro típico desta região, que tem uma cor vermelho bem vivo porque se alimentam de caranguejos e camarões. Todos os dias eles voam entre 5:00 e 5:30 da manhã e à tarde. Eu fui no final do dia e infelizmente apareceram muito poucos, fiquei bem frustrada.

Em compensação, no dia que fomos embora de barco em direção à Barreirinhas para pegar nosso monomotor, aproveitamos para dar um passeio e ver o rio de dia, já que quando chegamos era noite e chovia muito. E não é que fomos presenteados com uma linda revoada de Guarás no meio da manhã? Nos sentimos as mais sortudas da vida! Eles são mesmo lindos e diferentões!

PASSEIO PELAS DUNAS Optamos por fazer um passeio de dia inteiro onde caminhamos cerca de 30 km pelas dunas em direção à Baixa Grande.

O tour começou ainda de carro por uma praia onde havia umas formações que a princípio pareciam pedras, mas na verdade era uma espécie de musgo fossilizado, muito louco, ele esfarelava na mão.

Saindo dali, deixamos o carro em um determinado ponto e iniciamos a caminhada  pelas dunas.  O chapéu é item fundamental, e tem que estar bem firme e apertado na cabeça, já que o vento é forte e constante, isso sem falar no sol escaldante. Levar uma mochila com água e protetor solar. As piscinas que se formam são impressionantes…umas enormes, outras pequeninas…

Conforme vamos avançando, a areia vai ficando mais branquinha. A areia é bem fina, soltinha e leve, devido aos seus sedimentos procedentes do quartzo. Esse tipo de areia dificilmente se enrijece.

São vários os tons das lagoas, algumas mais azuis, outras mais esverdeadas, o que garantem fotos lindas neste cenário perfeito!

Uma curiosidade é que a areia das dunas não esquenta o pé como nas dunas de um deserto, eu já estive em vários. Sabe porque? O vento ali é constante e não há tempo de aquecer a areia.

A formação destas dunas impressionantes acontece por vários fatores: correntes marítimas,composição de sedimentos, força do vento constante nesta região, temperatura local (quente a maioria do tempo) e à pluviosidade.

Assim começa todo o processo de formação das dunas no Ceará, Piauí e Maranhão: uma espécie de rio que corre embaixo do oceano formando uma corrente marítima que fica responsável pelas ondas que batem na costa da região nordeste do Brasil. Essas águas carregam muitos sedimentos, incluindo uma quantidade enorme de areia, no sentido oeste, que acabam se acumulando nas praias. A quantidade de areia que fica acumulada, é diretamente proporcional à amplitude das marés, a variação entre a maré cheia e baixa. Como esta amplitude é maior para o lado do Maranhão, a quantidade de areia que se acumula por lá é bem grande.

 

Não se sabe exatamente quando estas dunas começaram a se formar, mas estima-se que foi entre 5 a 7 mil anos atrás. Incrível, né?

Na metade do caminho, paramos para almoçar em um oásis onde vivem ali há 27 anos  a Regina e o Ramiro. Sem eletricidade e sem água, eles utilizam a água da lagoa próxima para tomar banho, beber e cozinhar.

 

Ali almoçamos a famosa galinhada, prato típico da região e a galinha foi criada e abatida ali mesmo.

 

Depois do almoço, conversa fiada e cafezinho com a Regina e descanso na rede para em seguida fazer todo o trajeto de volta a pé.

ONDE COMER?

Os restaurantes de Atins são muito simples, mas gostosos.

CABANA DO PEIXE Fica na beira da praia e tem um pastel de carangueijo delicioso!

BAR.CO É o mais transadinho da praia, mas infelizmente estava fechado.

CANTO DOS LENÇOIS é onde se come o famoso camarão grelhado da região, que é servido aberto e com um molho super diferente e a receita é guardada a sete chaves. Depois do almoço você dá uma descansadinha em uma das redes do local, foi bem gostoso!

PARA JANTAR todos os dias foram na minha pousada que tem uma comida deliciosa, toda orgânica com horta própria e peixes frescos que chegam diariamente. Comemos muito bem e muito saudável todos os dias!

Sem sombra de dúvidas, um dos lugares mais bonitos que já estive no mundo, não pode morrer sem conhecer, combinado?

 

Fotos lindas da Pimpa Brauen, grande companheira de viagem!