Tudo o que você precisa saber para visitar a Islândia no inverno

Por: Flávia Pires 21 fevereiro, 2018

 

 

Localizada entre a Europa Continental e a Groelândia, no Círculo Polar Ártico, a Islândia é a segunda maior ilha européia ( a primeira é a Inglaterra), banhada pelo Atlântico Norte e realmente impressiona por suas paisagens surreais, que mais parecem cenários de filmes.

 

A capital, Reykjavík, abriga 2/3 de sua população de 335 mil habitantes em 103.000 km2. E é uma cidade super completa, com bons hotéis, restaurantes incríveis e um comércio excelente. Fiquei bem impactada com a capital, não imaginava uma infra tão boa, coisa de primeiro mundo.

 

Historicamente, a Islândia era um dos países mais pobres da Europa. O período pós-guerra foi caracterizado pela ajuda econômica do Plano Marshall e pela industrialização da pesca. Gradualmente, o país foi se desenvolvendo e passou a apresentar baixa taxa de desemprego, ampla distribuição de renda e um generoso sistema previdenciário. Em 2008, o país passou por uma forte crise financeira, onde os bancos mal conseguiam operar. Atualmente, esse panorama começou a mudar e apresenta grandes sinais de recuperação. A grande produção de alumínio devido aos baixos custos de energia ( é impressionante a quantidade de usinas geotérmicas), a avançada pesquisa em biotecnologia, fármacos e o turismo cada vez maior, tem contribuído fortemente para essa recuperação econômica. As importações tem uma baita estabilidade, a Noruega aparece como o principal fornecedor, seguido dos EUA e Alemanha. A China contribui como principal fornecedor de bens de consumo industrializados. A economia islandesa é altamente dependente da pesca, a maior fonte de renda do país e que fornece cerca de 40% dos ganhos com exportação.

 

AURORA BOREAL

Primeira coisa que vem a cabeça quando pensamos em Islândia é a famosa Aurora Boreal. Eu escolhi visitá-la no inverno (fevereiro) e na temporada das Auroras Boreais, era sonho antigo ver de perto este fenômeno espetacular da natureza. Ela é causada por uma explosão solar na qual bilhões de partículas energizadas são disparadas no espaço. Ao entrar em contato com o campo magnético da Terra, parte destas partículas é canalizada em direção aos polos magnéticos, entrando na atmosfera e em contato com os gases, adquirem cores: verde (oxigênio), azul (hidrogênio) e vermelho (nitrogênio). Na Islândia, a melhores épocas para ver o fenômeno é entre o final de setembro e o início de março, que correspondem ao outono/inverno no Hemisfério Norte. O litoral sul e o extremo leste da ilha, são os principais pontos para ver a Aurora, mas de um modo geral, você consegue vê-la de toda a extensão. Tem que ter  o fator sorte em estar na hora certa e no local certo, uma espécie de loteria. A intensidade da Aurora Boreal é conhecida como índice KP, que varia em uma escala de 1 a 9. Quanto maior esse número, mais fortes serão a intensidade das luzes que irão brilhar e você conseguirá vê-las a olho nu. São muitas condições que precisam estar alinhadas: fase da lua, força dos ventos, condições das estradas. Tivemos muitas dificuldades em vê-la, nos aventurarmos pelas estradas à noite, seguindo alguns sites e aplicativos imprescindíveis  para quem estiver na ilha, lembrando que você deve estar com wifi o tempo todo, não deixe de comprar um chip.

VAGAGERDIN Site que você monitora as condições das estradas, fundamental para ir à caça. www.vegagerdin.is

AURORA FORECAST Site do Alaska que mostra a atividade e previsão da Aurora no Círculo Polar Ártico, esse era o primeiro a ser consultado para saber a atividade naquele dia. www.gi.alaska.edu

VEOUR Aplicativo para previsão do tempo, fundamental para se locomover pela ilha. O clima muda em fração de minutos.

MY AURORA FORECAST, AURORA FORECAST e NORTHERN LIGHTS FORECAST & AURORAS Aplicativos para ir monitorando as Auroras.

No final das contas, depois de tantos deslocamentos, conseguimos vê-la do nosso hotel, tarde da noite e com ajuda do nosso motorista, que nos deu todas estas informações acima. A câmera fotográfica tem que estar com tripé e muito bem regulada, caso contrário, você não consegue ver nada. A Aurora que que conseguimos ver por exemplo, mal enxergávamos a olho nu, apenas na lente da câmera. Claro que existem Auroras poderosas, que até o celular alcança, mas não tivemos esta sorte. Passamos 7 dias na ilha e só conseguimos vê-la uma noite. Não posso esconder a minha frustração.

 

CLIMA

Devido à sua grande atividade vulcânica, a Islândia é aquecida pelas correntes do Golfo, e seu clima é considerado temperado em relação à sua latitude. As temperaturas não são tão baixas assim, mas  a sensação térmica é terrível e os ventos são fortíssimos, chegamos a pegar ventos de 60km/hora na capital. Com isso, a sensação de frio aumenta muito no inverno. Há uma fortíssima instabilidade climática na ilha, em minutos, o tempo muda radicalmente. Você precisa estar preparado pra isso, as estradas fecham constantemente por conta dessas mudanças bruscas. Acho recomendável deixar um dia meio livre na programação, caso você perca alguns passeios imperdíveis por conta do mau tempo. Inclusive, muitos voos são cancelados também, fazendo com que você possa vir a perder um dia da sua viagem. Sobre o que vestir nesse frio todo: eu usava dois underwears, calça de esqui, luvas poderosas impermeáveis e bem grossas, gorro, fleece, duas meias térmicas, um super casaco por cima com capuz e botas com Goretex (impermeáveis) fundamentais, pois em alguns pontos você pisa com neve até os joelhos. Com este “combo”  fiquei bem protegida. Uma coisa que aprendi nas minhas duas viagens de trekking ao Campo Base do Everest e na Mongólia: não compre roupas de inverno genéricas, tipo Uniqlo, Decathlon. Prefira marcas renomadas que ofereçam tecnologia, são bem mais caras, mas são eficientes. Eu uso North Face, Mountain Hardwear, Patagônia, Marmot. Caso você não tenha roupas poderosas de inverno, lá você encontra muitas opções excelentes de marcas locais com ótimos produtos.

 

CULTURA

A cultura islandesa tem suas raízes nas tradições nórdicas. O território do país já pertenceu à Noruega e a Dinamarca. Isso sem falar nas raízes Vikings, muito presente na ilha. Sua arquitetura foi historicamente influenciada pela cultura escandinava e mais tarde americana, já que os EUA mantiveram por muito tempo uma base naval na ilha. Os islandeses são muito supersticiosos, acreditam em Elfos e suas sagas escritas na Idade Média, tem seu valor muito forte até hoje na cultura de todo o país.

 

GASTRONOMIA

A culinária islandesa é conhecida pela utilização de produtos frescos, livres de agrotóxicos e substâncias químicas. Como a pesca é muito forte na ilha, os peixes estão em profusão por todos os lados. Vale destacar o Cod (bacalhau fresco), o Char, Lagostins, Camarões, Salmão maravilhoso, de altíssima qualidade e que concorre com os da Noruega. Achei a gastronomia local sofisticada em sua apresentação, pratos bem elaborados e bem acima da média. Outra curiosidade da culinária local é o consumo de carne podre de tubarão, cavalo, baleia, cordeiro e o famoso Puffin, uma espécie de “Papagaio do Mar” muito comum por aqui. Outra “iguaria”que os islandeses são muito orgulhosos é o Hot Dog local, considerado o “melhor do mundo”. A barraca em frente ao Hotel Radisson tem os melhores, peça o “completo” que vem com uma cebolinha frita deliciosa e tome com uma cerveja local. Reykjavík tem excelentes restaurantes, montei aqui uma lista dos mais legais:

FISHMARKADURINN Degustação de iguarias locais.

KOL Salmão divino e bons drinks em um ambiente descoladinho.

MATUR OG DRYKKUR Cod (bacalhau fresco) maravilhoso. O restaurante é muito charmoso.

GRILLMARKAOURINN Fiz uma degustação excelente de cavalo, baleia, pato, cordeiro e peixes locais. A decoração do restaurante é linda!

FRIDHEIMAR Um restaurante dentro de uma estufa de plantação de tomates, melhor sopa de tomate que já provei na vida e o lugar é muito alto astral. Anexo, tem uma fazenda com os cavalos típicos islandeses, uma graça. Fica próximo a Gulfoss e é perfeito para um almoço por lá.

Você não pode deixar de provar na Islândia:

SKYR  Iogurte local delicioso, proteína pura!

PYLSA Cachorro quente que mencionei acima, considerado o melhor do mundo! Eu achei bom, mas não é o melhor!

VODKA excelentes vodkas locais, destaque para a marca REYKA.

 

HOTÉIS

Os hotéis são caros na Islândia em comparação com outros países da Europa. Optamos por hotéis 4 estrelas para termos um custo mais baixo. A surpresa foi que foram todos excelentes, acima no esperado. Novos e com quartos muito confortáveis, me chamou a atenção dos travesseiros de pluma, lençóis e toalhas macios e novos, excelentes chuveiros (quem não ama um bom banho depois de um dia congelante), calefação excelente e todos com bons restaurantes, o que faz diferença depois de chegar cansado ao hotel e ainda ter que se preparar para caçar as Auroras!

Ficamos em 5 hotéis em 7 noites de viagem:

Reykjavík: Radisson Blu Hotel

Hella (Círculo Dourado) Stracta Hotel

Núpar (Costa Leste) Foss Hotel

Selfoss (Costa Sul) Grimsborgir

Grindavik Silica Hotel, excelente, com acesso direto por dentro do hotel para a Blue Lagoon, além de ter sua própria piscina termal.

COMPRAS

Reykjavík tem um comércio excepcional para artigos de inverno. Se você não tiver levado algum tem indispensável na sua mala, lá você encontra absolutamente tudo. Preços salgados, mas qualidade excelente. Adorei a marca Route 66, com roupas e acessórios super transados e alta qualidade. Caminhar pelas ruazinhas do centro, é um programa delicioso, cheio de lojinhas charmosas e bons cafés pelo caminho. A rua da Igreja e a paralela é onde estão as melhores lojas. Caso ao longo da viagem você precise de algo, por toda a ilha você encontra lojas excelentes nas estações de serviço com boas marcas, a maioria as mesmas marcas de Reykjavík.

 

CARRO OU MOTORISTA?

No verão, sem sombra de dúvidas, vale alugar carro para percorrer a ilha. No inverno eu não recomendo. As estradas são interditadas a todo momento por condições climáticas desfavoráveis, tempestades de neve fortíssimas, vemos o tempo todo carros atolados e turistas despreparados para seguirem viagem. A Latitudes Viagens de Conhecimento foi como sempre, quem organizou toda nossa viagem e ficamos o tempo todo com carro e motorista disponível, inclusive para ver as Auroras. Valeu o investimento, sem ele, estaríamos perdidas nas estradas cheias de neve.

MOEDA

Como eu comentei acima, a Islândia é um país caro em geral. A começar pelos passeios, comida e hotelaria. A moeda local é a Coroa Islandesa e para você calcular em dólares, basta dividir por 100, ou tirar os dois últimos dígitos. Quase não troquei dinheiro, cartão de crédito é aceito em absolutamente todos os lugares, até para comprar uma água na estação de serviço.