Menu

Templo Ta Prohm

Flavia Pires
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Talvez a mais misteriosa de todas as construções religiosas de Angkor, o Ta Prohm (Ancestral de Brahma) era um mosteiro budista e foi erguido no reinado de Jayavarman VII.

Uma estela de pedra descreve como o mosteiro era poderoso. No auge, contava com mais de três mil vilas e era mantido por 80 mil funcionários, entre os quais 18 sacerdotes e mais de 600 dançarinas do templo.

Os franceses começaram a restauração arqueológica do local no período colonial, e foi feita uma tentativa deliberada de preservar o Ta Prohm nas condições em que estava, limitando a restauração e eliminando o menos possível da selva densa que se formara.

Como resultado, o templo continuou sufocado pelas raízes de figueiras gigantescas, o que manteve o ambiente que os exploradores do século XIX devem ter encontrado.

O templo fica no topo de um morro e possui um conjunto de prédios de pedra rodeados por um muro retangular de laterita. As passagens estreitas da construção, junto com as enormes samaúmas, oferecem um alívio agradável e bem vindo ao calor tropical e ligam uma série de galerias escuras e mofadas. Recomendo fazer este programa bem cedo ou no final do dia por conta das altas temperaturas.

A entrada principal está desgastada, mas continua magnífica, cheia de imagens de Buda, recuperadas das ruínas. Depois do portão fica o fascinante Salão das Dançarinas.

 

Imperdível, este prédio de arenito repousa sobre pilares quadrados e é decorado com falsas entradas e fileiras de intricados baixos-relevos de apsaras (dançarinas celestiais).

A oeste fica o santuário principal, uma edificação em pedra simples, diferenciada pelo cenário de selva.

Sem dúvida, um dos lugares mais alucinantes que já estive.

Não foi à toa que Angelina Jolie se apaixonou pelo lugar quando filmou ali em 2001 Lara Croft e até adotou um garotinho.

Eu também tive meus momentos” Angelina” , fiquei doida com as crianças dali….podem ser mais queridos?

Você sai de lá energizado e iluminado.

Fotos: Flavia Pires, todos os direitos reservados.

Explore também:

Traduza